Polícia conclui relatório sobre prescrições médicas
    A Polícia Científica do Paraná concluiu o relatório de prescrições médicas de 346 pacientes feitas pela médica Virgínia Soares de Souza, acusada de antecipar mortes na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) geral do Hospital Evangélico, em Curitiba. De acordo com a perícia, em 317 dos casos os pacientes morreram no mesmo dia em que receberam medicamentos prescritos por Virgínia. Os prontuários foram analisados entre janeiro de 2006 e fevereiro deste ano.

O advogado de defesa da médica, Elias Mattar Assad, disse que o relatório não prova nada e que as acusações são infundadas. O Ministério Público do Paraná (MP-PR) investiga as mortes suspeitas.
saiba mais

Auditor acredita que haja mais mortes provocadas em UTI de Curitiba
MP pede nova prisão para médica acusada de acelerar mortes em UTI
Auditoria deve avaliar 400 leitos de UTIs que atendem o SUS em Curitiba

Outras sete pessoas são acusadas pelo MP de envolvimento no caso. Virgínia ficou um mês detida e agora responde ao processo em liberdade, contudo, deve se apresentar mensalmente à Justiça. O MP entrou com um recurso solicitando que a médica seja novamente presa. Ela responde por homicídio duplamente qualificado e formação de quadrilha.

Na segunda-feira (1º), Virgínia esteve no 2º Tribunal do Júri para a primeira audiência do caso. Ela e os demais acusados no processo foram convocados para uma audiência com uma equipe técnica do judiciário. Nesta audiência, não são analisados aspectos do processo. Os técnicos questionam os acusados sobre assuntos particulares com o objetivo de traçar o perfil de cada um. Na saída do fórum, Virgínia afirmou estar confiante na justiça.